Carneiro Contabilidade


Qual é o prazo para guardar os documentos da sua empresa?

  • 14/01/2020



    Qual é o prazo para guardar os documentos da sua empresa?

     

    A organização dos documentos é uma das ações mais comuns e que os empresários precisam ter atenção para não terem prejuízos no futuro. Por isso, é importante saber por quanto tempo se deve guardar cada registro.

    Os principais documentos que devem ser guardados pelas empresas são os relativos aos tributos, como guias de recolhimento, notas fiscais, documentos contábeis, livros fiscais e declarações entregues ao Fisco; bem como os comprovantes trabalhistas, a exemplo dos contratos de trabalho, livro ou ficha de registro e recibos de salários.

    De acordo com a assessoria jurídica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o período médio de guarda é de cinco anos.

    No entanto, em alguns casos é necessário armazenar os documentos trabalhistas por dez anos – como a folha de pagamento e o registro eletrônico –, além da recomendação de se arquivar os documentos relativos ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) por 30 anos.

    Vale lembrar que há situações em que o empresário deva guardar as comprovações por prazo indeterminado, como o contrato de trabalho e o livro de empregados, por razão da concessão de benefícios previdenciários. Porém, a guarda desse tipo de documento não será mais necessária para as empresas que são obrigadas a enviar informações ao eSocial.

    Caso a empresa perca ou não armazene os documentos no período estabelecido, ela corre o risco de recolher novamente um tributo ou até ser multada por não apresentar o comprovante à fiscalização. Além disso, a ausência de determinados documentos pode dificultar a defesa em alguma fiscalização ou processo judicial, seja fiscal ou trabalhista.

    Prazo para guardar documentos

    Veja abaixo o prazo previsto para guardar cada tipo de documento:

    Tributário:

    Prazo: 5 anos

    - Imposto de Renda (IR)
    - Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL)
    - Programa de Integração Social (PIS)
    - Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins)
    - Simples Nacional
    - Notas fiscais, recibos e demais comprovantes de lançamentos
    - Livros fiscais e contábeis
    - Sistemas eletrônicos de dados de escrituração fiscal ou contábil
    - Declarações: DIPJ, DCTF, Dirf
    - Declaração de Ajuste Anual - declaração e comprovantes de lançamentos

    Trabalhista e Previdenciário:

    Prazo: 30 anos
    - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)
    - Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP)
    - Guia de recolhimento rescisório do FGTS e da contribuição social (GRFC)

    Prazo: 10 anos
    - Folha de pagamento
    - Sistemas eletrônicos de dados trabalhistas e previdenciários

    Prazo: 5 anos
    - Contribuição previdenciária (GPS)
    - Contribuição sindical (GRCSU)
    - Recibo de pagamento de salário, de férias, de 13º salário e controle de ponto
    - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged)
    - Relação Anual de Informações Sociais (Rais)

    Prazo: 2 anos
    - Termo de rescisão do contrato de trabalho, pedido de demissão e aviso-prévio

    Prazo: Indeterminado
    - Contrato de Trabalho
    - Livro ou ficha de registro de empregado

    Guardar documentos na nuvem

    Atualmente, as empresas podem armazenar e encontrar seus documentos com mais facilidade, visto que é possível escanear e organizar os comprovantes em arquivos digitais, seja em mídias físicas – pendrives e HDs externos –, e em plataformas de armazenamento na nuvem.

    Segundo a assessoria jurídica da Federação, os livros e os documentos fiscais podem ser armazenados em meio eletrônico, ótico ou equivalente, tendo o mesmo valor probatório do original para fins de prova em procedimentos de fiscalização.

    Contudo, é importante que o empresário assegure a guarda dos arquivos digitais durante um período, mantendo uma cópia de segurança e consultando o entendimento dos fiscos estadual e municipal antes de destruir os documentos físicos.

     

    Fonte: Fecomércio SP


Fique por dentro das notícias on-line

Veja todas as notícias on-line
Subir ao topo